domingo, 3 de novembro de 2013

AESC MAMAÔ X FLUMINENSE ( Categoria ) Sub 17.

Jogo Amistoso dia 07 de Novembro 2013 (Quinta-Feira) com saída da Associação dos Moradores do Conjunto CEHAB de Santa Margarida às 06:00 da manhã.

CENTRO DE TREINAMENTO VALE DAS LARANJEIRAS
Avenida Pastor Manoel Avelino de Souza, 859
Xerém – Duque de Caxias – RJ

ALÔ JOGADORES NASCIDOS NO ANO DE 1997, 1998, 1999 E 2000.

TAÇA DAS FAVELAS 2014.

INSCRIÇÕES ABERTAS !!!

LOCAL: ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DE SANTA MARGARIDA às 2ª, 4ª e 6ª Feiras.
Estrada do Encanamento nº 861 (Ao lado da Clínica da Família Rogério Rocco)

Horário às 18:30m

Com Carlos Mamaô, Professores : Renato, Altair, Arnaldo e Edinho.

CAMPEONATO AMADOR DE VETERANOS 2013 NO DIANA.Venham prestigiar o melhor Campeonato Futebol da Zona Oeste.

CONVIDAMOS A TODOS OS AMANTES DO FUTEBOL PARA A FINAL DO CAMPEONATO AMADOR DE VETERANOS 2013 NO DIANA.Será no dia 10 de Novembro a partir das 10:00 horas ( Domingo )
.

Apesar de susto, Juninho não desfalcará o Vasco na próxima rodada

Apesar de susto, Juninho não desfalcará o Vasco na próxima rodada

Com incômodo na coxa, jogador pediu para ser substituído logo no início da partida contra o Coritiba, mas não será problema para sequência da luta contra o rebaixamento

IG
Rio - Logo no início do jogo contra o Coritiba, o torcedor do Vasco sofreu um susto: Juninho Pernambucano sentiu um incômodo na coxa e pediu para ser substituído. O time, no entanto, não sentiu a ausência do ídolo, se apresentou muito bem no Estádio Cláudio Moacyr e conseguiu a vitória. Desta forma, a única preocupação após o apito final era mesmo com a recuperação do jogador e o departamento médico do clube tratou de passar tranquilidade.
Juninho deve encarar o Santos
Foto:  Divulgação
Depois de deixar o campo de jogo, Juninho Pernambucano já foi previamente avaliado pelos médicos do clube e o resultado foi otimista por parte dos especialistas. Com 38 anos, ele vem apresentando certo desgaste muscular neste final de temporada, mas não deve ser problemas para o próximo compromisso.
"A situação do Juninho não é grave, não preocupa, até porque ele tem um quadro de osteíte (inflamação do osso), que, de vez em quando, o incomoda. Neste jogo, ele sentiu a dor, mas nós temos tranquilidade e achamos que podemos contar com ele para a próxima partida", explicou o médico Fernando Mattar.
O treinador Adílson Batista não deixou de falar sobre a importância do jogador e lamentou a ausência de Juninho ao longo da vitória sobre o Coritiba, principalmente pela liderança que o craque exerce sobre os seus companheiros. "Ele é um jogador fundamental, experiente, decisivo, também demonstrou que gostaria de ajudar, mas é uma infelicidade, acontece esse tipo de lesão".
Ao longo da semana, de acordo com a previsão otimista do departamento médico, Juninho terá tempo para se recuperar e estará à disposição de Adílson Batista para o duelo diante do Santos, na próxima rodada, no Estádio do Maracanã. Com uma combinação de resultados, o time pode deixar a zona de rebaixamento em caso de mais um triunfo.
    Tags: Juninho , Vasco

    No último clássico do ano, Flu tem a chance de encerrar tabu contra rivais

    No último clássico do ano, Flu tem a chance de encerrar tabu contra rivais

    Time misto do Flamengo é última oportunidade de o Tricolor vencer clássico nesta temporada

    O DIA
    Rio - Diante da equipe mista do Flamengo, o Fluminense terá a última chance de vencer um clássico em 2013. Não bastasse a pressão pela série de sete partidas sem triunfar no Brasileiro, o Tricolor luta para quebrar o incômodo tabu e não repetir o feito pela quinta vez na história do clube.
    Em 1908, 1910, 1921 e 2011, o time das Laranjeiras também passou em branco em clássicos. Este ano, acumula sete derrotas e três empates em confrontos regionais. No entanto, sua delicada situação na tabela do Brasileiro aumenta ainda mais o peso do confronto com o Flamengo.
    Tricolor contou com apoio da torcida em treino
    Foto:  Divulgação
    “É mais uma partida importante. No fim do Brasileiro, todas as equipes lutam por algum objetivo. Nossa caminhada é diferente. Não é a que gostaríamos, mas temos a chance de vencer e melhorar nossa situação”, disse Rafael Sobis.
    Xodó de Vanderlei Luxemburgo, Biro Biro já teve a chance de disputar clássicos e até de marcar gols, como no empate em 1 a 1 com o Botafogo. No entanto, o atacante, de 18 anos, fará a aguardada estreia no Fla-Flu hoje à noite.
    E, no mais charmoso clássico do Rio, Biro Biro espera entrar em campo com a eficácia de Fred, que, em recuperação de grave lesão na coxa direita, foi o autor do gol da última vitória do Fluminense em duelos cariocas. O Botafogo foi a vítima, mais uma vez. Em outubro de 2012, o camisa 9 garantiu o resultado de 1 a 0, no Engenhão.
    Luxemburgo ainda balança no cargo de técnico
    Foto:  Divulgação
    Com dez gols no Brasileiro, Rafael Sobis é outra esperança de gols do torcedor tricolor no Maracanã. De sua média, ninguém pode reclamar. Em quatro clássicos, o atacante soma quatro gols. Em alta, o camisa 23 espera apagar a má impressão deixada ao longo da competição com o fim do jejum de vitórias, não importa quem seja coroado o herói do Fla-Flu.
    “Estou feliz pelo meu momento. Gostaria de contribuir, mas, desde que o Fluminense vença, não importa quem faça o gol. Uma vitória no Fla-Flu faz bem ao ego. Não existe jogador ruim. Tudo é uma questão de confiança. Da diretoria, do torcedor, do treinador e do próprio jogador. Esse clássico pode ser positivo”, avisa Sobis.

      Para agarrar a chance e se consagrar no Flamengo

      Para agarrar a chance e se consagrar no Flamengo

      Após sete anos de espera, Paulo Victor pode ser campeão e ajudar time a fugir da degola

      VITOR MACHADO
      Rio - São sete anos de paciência. Desde que subiu para os profissionais, em 2006, Paulo Victor espera pela chance de ser o goleiro número 1 do Flamengo. Uma porta que, vez por outra, ameaça se abrir, mas que permanece fechada ao paulista que, aos 26 anos, já não é mais um garoto. Desta vez, porém, uma janela se escancara à frente dele. Além de defender o Rubro-Negro em mais um Fla-Flu, ele pode ser, pela primeira vez, campeão em campo, se o time conquistar a Copa do Brasil.
      Paulo Victor será titular no Flamengo
      Foto:  Divulgação
      Se Felipe não voltar a jogar antes de 2014, Paulo Victor terá sete jogos pelo Brasileiro e três na Copa do Brasil, caso a classificação para a final se confirme na quarta-feira. No total, este ano, ele terá jogado 20 jogos, menos do que na temporada passada, quando atuou em 29 oportunidades.
      Numa competição, o time luta contra o rebaixamento. Na outra, mira o título e a vaga na Libertadores. Uma grande responsabilidade que o técnico Jayme de Almeida não teme jogar nas mãos do goleiro reserva.
      “O Paulo Victor eu não conhecia quando cheguei em 2010. O Cantareli treinava os goleiros e às vezes me pedia para ajudar, normalmente em dia de treino físico em que o Vanderlei (Luxemburgo) não precisava de mim. Tenho intimidade. Ele é um profissional por quem tenho carinho e um respeito muito grande”, disse Jayme de Almeida, que ressaltou o profissionalismo do camisa 48:
      “Ele está esses três anos na reserva, mas é um dos que mais treinam, dos mais profissionais. Todo mundo sabe do potencial dele. É um baita goleiro. É o momento dele, uma oportunidade que apareceu. O Felipe estava pegando tudo, mas infelizmente aconteceu a contusão. O Paulo Victor é um cara especial. Ser goleiro reserva é duro. Você não joga, bate o desânimo a depressão, mas ele tem conseguido manter o nível alto”. As palavras de Jayme fazem a cabeça de Paulo Victor.
      “A gente sabe a confiança que o Jayme deposita em todos os atletas”, disse o goleiro.
        Tags: Flamengo

        Com castigo no fim, Botafogo perde para o Goiás e embola disputa no G-4

        Com castigo no fim, Botafogo perde para o Goiás e embola disputa no G-4

        Derrota para o Esmeraldino tira a vice-liderança do Alvinegro no Campeonato Brasileiro

        O DIA
        Goiás - Em mais uma partida insonsa e com pouca emoção neste Campeonato Brasileiro, o Botafogo continua sua sina para conseguir conseguir uma vaga na Copa Libertadores, fato que não acontece desde 1996, quando foi campeão da mesma competição. Desta vez o Fogão não conseguiu segurar o Goiás, no Serra Dourada, e acabou derrotado por 1 x 0, com gol de cabeça de Eduardo Sasha aos 43 minutos do segundo tempo.
        Com o resultado, o Botafogo saiu da vice-liderança do Brasileirão e pode terminar a rodada na quarta colocação caso o Atlético Paranaense vença o Internacional, no Durval de Brito. O próximo compromisso do Alvinegro é o confronto contra o Internacional, no Estádio Centenário, no próximo domingo. Já o Goiás terá que enfrentar duas vezes o Flamengo, uma dessas a partida mais importante do ano para o time do Cerrado, já que é válido pela semifinal da Copa do Brasil. O Esmeraldino permacene na quinta colocação do Brasileiro.
        O jogo
        A partida começou de forma lenta e com as equipes se estudando bastante. Tanto que os lances de perigo foram escassos nos primeiros minutos de jogo. Mas antes de um lance de perigo, uma bizarrice. Aos 22 minutos, Vítor furou a bola ao receber passe, caiu e não foi perdoado pela torcida do Botafogo presente no Serra Dourada. Com 29, Seedorf cobrou escanteio, Rafael Marques tentou o chute, e a bola ficou nas mãos do goleiro Renan.
        Perto do fim do primeiro tempo as duas equipes começaram a se arriscar no ataque. Aos 30, Sasha arriscou de longe, e Jefferson deu um tapa com a mão direita, jogando a bola para escanteio. Aos 43, uma polêmica da partida! Elias entrou na área, driblou a marcação e caiu após Renan se jogar para pegar a bola. O jogo seguiu, mas os alvinegros pediram pênalti, e no intervalo foram reclamar com o Sandro Meira Ricchi pela não marcação da falta.
        Com a necessidade da vitória em ambas as partes, os times se abriram partindo ao ataque. Logo aos cinco, Vítor arriscou de longe e jogou a bola à esquerda do gol de Jefferson. Com oito, Julio Cesar fez grande jogada, tocou consciente para Elias, que desperdiçou o lance chutando em cima de Amaral. Em seguida veio a resposta do Esmeraldino, Sasha saiu na cara do gol e chutou para grande defesa do goleiro do Fogão.
        O Botafogo tinha mais a posse da bola e mais chances. Aos 35, Edison arriscou pela direita, quase da linha de fundo, e exigiu grande defesa do goleiro do Goiás. E quando o time da Estrela Solitária já estava se contentando com o ponto conquistado pelo empate, o castigo veio à cavalo, ou melhor, de cabeça! Aos 42, Léo Bonatini cruzou para a área, e Sasha sobiu mais que Edílson e marcou para o time Esmeraldino, sem chance para Jefferson. Na comemoração, o jogador recebeu cartão amarelo, mas que não foi tão lamentado, já que foi a pá de cal na partida que não teve mais lances de perigo até o apito final do arbitro.

          O sofrimento de Alfinete

          O sofrimento de Alfinete

          Campeão Brasileiro em 1974 sofre com o risco iminente de rebaixamento, mas acredita na virada

          MARCIA VIEIRA
          Rio - O moleque nascido e criado no bairro de Água Santa, subúrbio carioca, nunca esqueceu do dia em que viu de boca aberta a exibição de gala de craques como Vavá, Bellini, Sabará e Coronel, no velho Maracanã. Naquele tarde distante dos anos 1960, o coração de Paulinho disparou e passou a bater mais forte pela Cruz de Malta.
          E lá se vão mais de meio século de amor incondicional ao Vasco da Gama, em que Paulinho virou Alfinete — o lateral esquerdo que brilhou nos anos 1970 e que há três décadas virou funcionário de São Januário. Mas os últimos anos têm sido de cortar o coração. A ameaça de um segundo rebaixamento machuca e atormenta Alfinete, que se recusa a acreditar no pior.
          Alfinete foi campeão em 1974
          Foto:  Carlos Moraes / Agência O Dia
          “Estou sofrendo, meu coração está machucado. É uma pena, porque o nosso presidente foi um excelente jogador. Mas infelizmente o clube passa por turbulências. Fez um time às pressas e para ajustar não está fácil. Mas temos chance se vencermos os jogos que faltam”.
          Do alto de seus 64 anos, o ex-lateral acredita que só existe uma saída para o Vasco fazer valer a fama de time da virada.“Acho que o problema não é treinador. Os jogadores precisam conversar mais, ficar mais juntos. Teve uma época, em que passamos por um momento difícil no Brasileiro e pedimos ao nosso treinador (Mário Travaglini) para ficarmos concentrados a semana inteira. Não íamos em casa, só os casados. Abraçamos aquela causa, nos sacrificamos e conseguimos sair. Agora, só eles podem mudar essa situação”, decreta.
          Alfinete com a camisa do Vasco
          Foto:  Arquivo
          Racismo
          Misto de gerente da concentração do profissional e observador técnico, Alfinete já fez um pouco de tudo nos 31 anos em que trabalha no Vasco.
          “Depois que deixei de ser atleta, fui treinador e coordenador do infantil e juvenil.Hoje tomo conta dos profissionais quando eles concentram aqui. Mas quando precisa observo jogadores, vou em peneiras”, diz orgulhoso o ex-jogador,que fez o curso de treinador, mas desistiu da profissão por achar que há racismo no meio.
          “O pessoal da cor não consegue ser treinador, normalmente trabalha na base ou é auxiliar-técnico. Quantos técnicos negros trabalham no Brasileiro? O Jaime, o Cristóvão? Não é pouco? As chances são pequenas e o meio é muito fechado, não é legal”, opina Alfinete, que desistiu da carreira. “Também tem muita pressão. Mas não sofro com isso. Nunca foi minha paixão”.
          Lateral fez gol decisivo no título de 1974
          A decisão do Campeonato Brasileiro de 1974 não sai até hoje da cabeça de Alfinete. No primeiro jogo, no Mineirão, ele foi protagonista. Marcou o gol do empate em 1 a 1, deixando o Vasco mais perto do título.
          “O Vasco perdia por 1 a 0 mas eu consegui empatar. Fiz o gol aos 40 minutos do segundo tempo. Aquela foi uma das maiores emoções da minha vida”, relembra Alfinete, que não se esquece da jogada. “Teve um cruzamento na área, a defesa do Cruzeiro tirou de cabeça, e eu peguei de primeira vencendo o Raul. Foi um golaço”, relembra, orgulhoso.
          No segundo jogo, o lateral teve muito trabalho para marcar Nelinho, mas no fim, o Vasco venceu por 2 a 1 com um gol de Jorginho Carvoeiro. “Comemoramos o título por uma semana. Foi uma alegria sem fim”, recorda-se.
          Ausência da Seleção não incomodou
          Quando perguntam a Alfinete porque ele nunca foi lembrado para a seleção brasileira, o ex-lateral não perde a linha e dá uma resposta bem-humorada.
          “Naquela época tinha o Rogério, o Cafuringa, que corriam à beça. E ainda tinha o Hilton. Também joguei contra o Gil, o Zequinha. Tinha que bater muito (rs). Como pegava só os melhores, como ia ser convocado pra Seleção?”, argumenta, o ex-jogador que na época tinha como rivais na Seleção Marinho Chagas, Everaldo e Marco Antonio.
          Em 1977, Alfinete foi vendido ao Uberaba. Ele ainda jogou no Democrata-GV, antes de encerrar a carreira aos 29 anos.
            Tags: Vasco , Alfinete

            Com Paulinho e Sandro, Tottenham empata sem gols com Everton

            Com Paulinho e Sandro, Tottenham empata sem gols com Everton

            Resultado de 0 a 0 recoloca time dos brasileiros no quarto lugar do Campeonato Inglês, dentro da zona de clubes que disputariam a próxima Liga dos Campeões

            IG
            Inglaterra - Em busca de uma vaga na próxima edição da Liga dos Campeões, Everton e Tottenham se enfrentaram neste domingo, no Goodison Park, em partida válida pela décima rodada do Campeonato Inglês. Em jogo pouco movimentado, quem se deu melhor foi o clube londrino, que garantiu empate por 0 a 0 e retornou ao grupo de equipes que participariam da próxima edição da competição europeia.
            Escalado com os volantes brasileiros Sandro e Paulinho entre seus titulares, o time londrino tentou se impor dentro de campo e buscou chegar mais ao ataque do que a equipe adversária. Entretanto, em dia pouco inspirado, os atletas dos dois clubes pouco conseguiram produzir e não conseguiram balançar as redes do rival.
            Tottenham ficou no empate pelo Campeonato Inglês
            Foto:  Reuters
            Com este resultado, o Tottenham, que iniciou esta rodada na quarta colocação, mas caiu para sexta posição após ser ultrapassado por Manchester City (19 pontos) e Southampton (19 pontos), retorna ao posto em que estava até este sábado, chegando aos 20 pontos. O Everton, por sua vez, segue na sétima colocação, com 19 pontos. O Arsenal, com 25 pontos, lidera o torneio.
            A agremiação londrina volta a entrar em campo pelo Campeonato Inglês no próximo sábado, às 12 horas (de Brasília), quando mede forças com Newcastle United, no White Hart Lane. Antes disso, contudo, enfrenta o Sheriff (Moldávia), nesta quinta-feira, às 18h05 (de Brasília), também no estádio da capital inglesa, em partida válida pela quarta rodada do Grupo K da Liga Europa.
            Fora de competições continentais, o Everton duela com Crystal Palace, no próximo sábado, às 13 horas (de Brasília), no Selhurst Park. O clube de Liverpool está invicto como visitante nesta edição do Campeonato Inglês, tendo obtido três vitórias e dois empates.

              Fla x Flu: estranho, mas sempre fascinante

              Fla x Flu: estranho, mas sempre fascinante

              Mesmo com jogadores poupados do Rubro-Negro e horário incomum, clássico ainda tem charme especial

              O DIA
              Rio - O Fla x Flu deste domingo já começa estranho por esse péssimo horário de sete e meia da noite que só pode interessar às TVs a cabo. Mas o jogo em si sai da rotina antes mesmo de a bola rolar.
              O Fluminense vem de uma semana de crise em que Vanderlei saiu, entrou e voltou.
              Só continuou por vontade do presidente da patrocinadora. Mas está com a batata assando porque uma derrota torna sua permanência inviável. E o jogo é o primeiro de uma série de sete que o Flu cumpre com alguma preocupação de não cair pela terceira vez, o que seria catastrófico. A dúvida é saber se o time terá tranquilidade depois de tanta insegurança.
              Luxa vive momento delicado no Flu
              Foto:  Márcio Mercante / Agência O Dia
              Já o Fla, em estado de graça pela campanha na Copa do Brasil, vai poupar jogadores importantes como Chicão, Léo Moura, André Santos, Elias e Paulinho. A cabeça do grupo está na outra competição, mas a rivalidade fala muito alto.
              Com todos esses ingredientes, não há favoritos porque a instabilidade de um lado e o desentrosamento do outro poderão pesar. Ainda assim,o Flamengo leva a grande vantagem do alto astral e da menor responsabilidade porque o Brasileiro já não traz qualquer desafio.
              PRECAUÇÃO
              É melhor o Botafogo não esperar facilidade hoje no Serra Dourada porque, mesmo se entrar com alguns reservas, o Goiás deve fazer jogo duro. O Botafogo, aliás, sempre se enrola quando ganha vantagens e só costuma ir bem quando não se espera nada.
              O grupo descansou uma semana, terá Elias de volta, Gegê no lugar de Lodeiro, mas, sem Dória, também terá a perigosa presença de André Bahia, sempre uma promessa de emoções fortes. Uma vitória é decisiva na luta pelo G-4.
              O DESLIGADO
              Há muito tempo, a grande promessa André transformou-se em problema. Mesmo no Santos, mais irritava do que agradava. E, ainda que deixando de vez em quando seus golzinhos, tem sido figura apagada no Vasco, repetindo erros e com rotina de vida incompatível com a de um atleta.
              Adilson Batista viu o tamanho do problema, ouviu várias pessoas e parece que a vida de André no Vasco será curta. Pena que o time não tenha boas alternativas. Só mesmo com luta e reza.
              Robinho está de volta a seleção brasileira
              Foto:  Reprodução Instragram
              NOSTALGIA
              Se Felipão precisou apelar para Robinho ao sentir que Diego Costa não virá mesmo, o torcedor que se prepare porque outras surpresas poderão surgir, não exatamente empolgantes. Os problemas no ataque continuam sérios sem Fred e, com os fiascos de Lucas e Pato, é mais provável sessão nostalgia com Kaká — ou até Ronaldinho — do que novidade sem história de Seleção. Pelo andar da carruagem os ‘estrangeiros’ têm preferência, mas por que não lembrar de Tardelli?
              ELE VEM AÍ
              Se a Unimed vai continuar apitando forte no Flu em 2014, ninguém sabe, mas Conca continua como ideia fixa e parece que não faltará verba, seja de onde for, para reconduzi-lo ao clube como uma espécie de líder para o futebol, dentro e fora de campo. Não há dúvida das muitas possibilidades de marketing. Mas não há certeza de que continuará como um supercraque, semelhante ao daquela campanha vitoriosa de 2010. O tempo passa e é melhor não ir com muita sede ao pote.
              CURTINHAS
              Pato se mostra insatisfeito meio na surdina e Lucas anda apenas aparentemente conformado com a saída da Seleção, mas promete reagir. Nos dois casos não houve injustiça e Felipão agiu certo. Se quiserem voltar, é simples — que tratem de jogar de novo bom futebol.
              Entre os muitos méritos na sua ainda curta passagem como técnico no Fla, Jayme acertou na mosca ao dar força a Amaral e Paulinho. O primeiro fechou uma antes vulnerável zaga como um leão e o outro deu velocidade e leveza na passagem ao ataque, com ótimo jogo pelos flancos.
              Se obtiver três vitórias seguidas e, dependendo de outros resultados, o Cruzeiro de Marcelo Oliveira poderá ser campeão com quatro rodadas de antecipação, recorde nos pontos corridos. É bom time, não timaço, mas faz bela campanha e conta com a incompetência dos outros.
                Tags: Flamengo , Fluminense , Vasco , Botafogo